Gravidez e dor lombar: como o peso da barriga pode afetar a coluna
20 de dezembro de 2022
Dor nas costas por aí? Por que pais novatos têm mais chances de desenvolver problemas na coluna?
20 de dezembro de 2022

Para entender qual o tratamento mais adequado ao paciente com problemas na coluna, o médico especialista vai passar por algumas etapas: 

  • Analisar os sinais de alerta
  • Solicitar exames de imagem
  • Eleger a cirurgia ou o tratamento clínico

Quando nos referimos à coluna vertebral, existem alguns critérios que podem ser facilmente observados como sinais de alerta: dor muito intensa, febre, se o paciente sofreu algum trauma na coluna, se há históricos de câncer na família, entre outros.

O comprometimento neurológico também será um ponto importante para a investigação nessa fase inicial. Se o problema afetar a coluna cervical, por exemplo, é possível que o paciente experimente irradiação dos sintomas para os membros superiores do corpo (braços), como perda de força e alteração da sensibilidade. Da mesma forma, se o problema afetar a coluna lombar, essa irradiação poderá se manifestar nas pernas.

Para confirmar a suspeita e garantir o diagnóstico correto, é solicitado um exame de imagem, como a ressonância magnética. Ele é crucial para determinar se o tratamento mais apropriado será clínico, cirúrgico ou a combinação dos dois. 

Um exemplo de combinação é um paciente com comprometimento neurológico que tenha recebido indicação cirúrgica: pode ser que, após a cirurgia, ele continue com uma abordagem clínica após, para tratar a causa do problema e tentar evitar que seja necessária outra cirurgia no futuro que auxilie nos sintomas, de dores, por exemplo.

Objetivos dos tratamentos

A cirurgia de coluna é indicada como uma intervenção imediata para resolver o comprometimento neurológico.

Já a parte clínica é trabalhada mais a longo prazo, para tratar as causas do problema que podem ser extensas e multifatoriais, como: genética, má postura, excesso ou ausência de exercício físico, entre outros. Essa abordagem é, normalmente, feita com medicação e fisioterapia, para trabalhar a postura e prevenção de novas doenças da coluna.

Vale lembrar que cada caso será decidido de forma personalizada, de acordo com o histórico de saúde do paciente.

Para saber mais sobre este assunto, convido você a assistir um bate-papo que tive com Mariana Vita, fisioterapeuta do núcleo de neurocirurgia do Instituto Amato, no canal do Youtube do Instituto Amato.   

Acesse: https://www.youtube.com/watch?v=51ekIxhdQEs

Por Redação
Por Redação
Dr. Marcelo Amato - CRM: 116.579 Médico e Neurocirurgião pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP); Doutor em Neurocirurgia (Clínica Cirúrgica) pela Universidade de São Paulo (FMRP-USP), orientado pelo Prof. Dr. Benedicto Oscar Colli; Especialista em Neurocirurgia pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) e pela Associação Médica Brasileira (AMB); Especialista em Cirurgia de Coluna pela Sociedade Brasileira de Coluna (SBC) e Associação Médica Brasileira (AMB); Linha de Pesquisa em Cirurgia Endoscópica da Coluna desde 2013 pela FMRP-USP com diversos artigos e livros publicados nacional e internacionalmente; elaboração de aulas e cursos nacionais e internacionais sobre Endoscopia de Coluna, e realização de consultorias em todo território nacional; Neurocirurgião referência do Hospital de Força Aérea de São Paulo (HFASP); Diretor do Amato - Hospital Dia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

gdpr-image
Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao usar este site, você concorda com nossos Politica de Privacidade.
Leia mais